sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O FRIO e AS GRIPES... NA POESIA de LOBO ANTUNES






 Sátira aos Homens Quando Estão com Gripe

(António Lobo Antunes)

[Mensagem]


Pachos na testa, terço na mão,
Uma botija, chá de limão,
Zaragatoas, vinho com mel,
Três aspirinas, creme na pele
Grito de medo, chamo a mulher.
Ai Lurdes que vou morrer.
Mede-me a febre, olha-me a goela,
Cala os miúdos, fecha a janela,
Não quero canja, nem a salada,
Ai Lurdes, Lurdes, não vales nada.
Se tu sonhasses como me sinto,
Já vejo a morte nunca te minto,
Já vejo o inferno, chamas, diabos,
anjos estranhos, cornos e rabos,
Vejo demónios nas suas danças
Tigres sem listras, bodes sem tranças
Choros de coruja, risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes fica comigo
Não é o pingo de uma torneira,
Põe-me a Santinha à cabeceira,
Compõe-me a colcha,
Fala ao prior,
Pousa o Jesus no cobertor.
Chama o Doutor, passa a chamada,
Ai Lurdes, Lurdes nem dás por nada.
Faz-me tisanas e pão-de-ló,
Não te levantes que fico só,
Aqui sózinho a apodrecer,
Ai Lurdes, Lurdes que vou morrer.



 

3 comentários:

Luisa disse...

Ou "As pieguices dos homens" )))))

Há homens assim mas, também há mulheres.

Quem está doente é que sabe como se sente!

Beijinho
Luísa

César Ramos disse...

Luísa,

Achei tanta graça a este poema que me enviaste, que resolvi reproduzi-lo aqui, com alguns adereços gráficos.

Não me estou a ver, até hoje, retratado no poema: se calhar, nunca apanhei uma gripe a sério!

Era entretanto necessário ter uma enfermeira chamada Lurdes,
para fazer uma fita assim
(...)

Acho que o Lobo Antunes é espiritualmente forte mas, atualmente, anda um pouco armado em pinga-amor!

Problema dele!

Bjo
César

António Clareza disse...

Também fui dos que achei imensa piada a este poema...muito a propósito da época que atravessamos, já que o frio se faz sentir pela noitinha. Em tempos a Luisa visitava a " Louletania" Blog. Que é feito de si ? Já tinha feito essa perguntas a alguém...talvez ao Cesar. Espero que esteja bem. Abraço para ambos. Antonio Clareza.